1.0. PLANTA BAIXA & CARDIOGRAMAS — ENTRE 4 PAREDES DO DESIGN GRÁFICO / by Carta&Carta

 

Desenvolvido no primeiro semestre de 2016, o projeto Planta Baixa & Cardiogramas apresenta o perfil de 4 estúdios de design localizados na cidade do Porto — Portugal e entrevista seus respectivos diretores de criação. O livro foi pensado dentro do Mestrado em Design Gráfico e Projetos Editoriais da Universidade do Porto, sob a orientação do designer e professor Eduardo Aires — White Studio. A estrutura editorial da publicação busca apontar para o potencial que reside no cerne destes espaços para a construção de uma expressão gráfica. Os estúdios entrevistados são:

  1. DSType - Dino Santos
  2. Bolos Quentes - Sérgio Couto e Duarte Amorim
  3. White Studio - Eduardo Aires
  4. We Came From Space - João Martino e Miguel Almeida

Planta Baixa & Cardiogramas

 

O Processo
O livro passou por imensas mudanças até encontrar seu último formato. O artefato final é a 4ª versão deste projeto, o qual se redescobriu a cada nova impressão. Para que se tenha uma ideia, o primeiro caderno só surge na última versão, quando se percebe a necessidade em contextualizar a história do design local antes de apresentar os estúdios. A construção do escopo inicial apontava para 7 espaços na cidade, os 4 selecionados se deram de acordo com a disponibilidade que cada estúdio apresentou dentro da calendarização. Todo trabalho transcorreu ao longo de 3 meses.

Terceira calendarização e investigação para montagem da linha de tempo do design 'Mundo-Portugal' 

Primeiros rascunhos para estruturar o projeto

 

Para iniciar as captações, delimitamos que a pesquisa apresentaria momentos distintos para cada estúdio, os quais foram então visitados por dois dias: 1º dia — Uma visita fotografada para apresentar a estrutura física em um recorte que procura entender as rotinas e o cotidiano. Este aspecto nomeamos Planta Baixa, uma referência ao mapeamento e percepção do que é mais racional dentro de cada estúdio. São as paredes, janelas, móveis, computadores, papéis, garrafas e tudo que compõe a materialidade dos espaços. Essa construção visual utiliza princípios técnicos, como escala e proporção. São esses parâmetros que posteriormente apontam uma solução para a delimitação do corte final de cada livro, matematicamente relacionados com as dimensões físicas dos prédios. Embora este não seja um desenho que use o rigor preciso da arquitetura, faz menção ao estilo e busca ser também um recorte imagético da memória do autor, ao apresentar um apanhado de tudo o que se viu e que se percebeu naquele momento. Os desenhos das plantas foram feitos manualmente e redesenhados digitalmente. 

Planta Baixa da We Came From Space

 

2º dia — Apresentar as pessoas, os diretores criativos, os valores e sentimentos que cercam o trabalho de cada estúdio. Este aspecto nomeamos Cardiogramas, uma alusão ao exame que verifica o que acontece no coração. O segundo momento dentro de cada livro é composto por uma entrevista realizada com os diretores criativos/fundadores dos estúdios. Dentro desta dicotomia, este é o lado que busca perceber o emocional, as questões, as inspirações, referências, histórias e processos. São as vozes que ecoam dentro de cada espaço, o coração que o faz, de certa forma, funcionar. Parte dessa captação está presente nas páginas de apresentação de cada espaço. Estão ali fragmentos impressos da própria voz gravada e transformada em gráfico.  

Os fragmentos das vozes são apresentadas no primeiro livro e na abertura de cada caderno

Transcrição das entrevistas e captação dos fragmentos das vozes

 

Edição-Impressão-Reedição
O aspecto emocional da investigação influenciou na construção das linhas de base, as quais foram extraídas da anatomia de um coração humano encontradas dentro de um desenho científico antigo (autor desconhecido). Analogias como esta permaneceram ao longo de todas as edições, correlacionando o número 4 constantemente em sua concepção: 4 estúdios, 4 paredes, 4 subcolunas, 4 válvulas e câmaras do coração. O aspecto racional se reflete intimamente na entrelinha da publicação, a qual usa como base os blocos de 5mm utilizados para o desenhos das plantas, conectando todas as publicações e permitindo uma proporção correta entre os textos, os objetos desenhados e a dimensão física dos prédios que delimitam o corte final de cada caderno. Com a finalização das primeiras versões dos livros, iniciamos uma investigação sobre o que estava paginado, construído. O exercício de impressão-edição-reimpressão possibilitou o crescimento do projeto, a percepção de pontos fortes e fracos, e uma visão mais ampla do que este representava, de como se comportava. Posteriormente, quando o livro ganhou corpo, muitas argumentações deixaram de fazer sentido, só as mais fortes sobreviveram. Este foi um dos muitos erros percebidos dentro da construção: a paixão por certas ideias pode prejudicar o projeto. 

2ª edição do último livro

3ª edição do penúltimo livro

Exercício de repaginação de um dos livros

 

O Projeto Final
O livro Planta Baixa & Cardiogramas apresenta então a estrutura física e o coração de cada um desses espaços, os quais são hoje uma referência quanto ao modo de pensar e sentir o design gráfico na cidade do Porto. Agradecemos imensamente a colaboração dos estúdios que abriram suas portas e permitiram a realização deste trabalho: DSType, na pessoa de Dino Santos; Bolos Quentes, na pessoa de Sérgio Couto; White Studio, na pessoa do professor Eduardo Aires; o coletivo We Came From Space, na pessoa de João Martino e Miguel Almeida.  

Edição final dos livros e plantas antes da encadernação

 
Planta Baixa & Cardiogramas - 2016
172 pages ~ 23,5 x 30 cm
Livro 01 / Apresentação ~ 12,5 x 18 cm — 24 pgs
Livro 02 / DSType ~ 14,5 x 21 cm — 36 pgs
Livro 03 / Bolos Quentes ~ 18 x 23,5 cm — 40 pgs
Livro 04 / White Studio ~ 20 x 26 cm — 36 pgs
Livro 05 / WCFS ~ 23,5 x 30 cm — 36 pgs
PapeL munken pure 90g/m²


Você pode conferir o projeto completo aquiPlanta Baixa & Cardiogramas

Para mais informações e sugestões, escreva para o nosso e-mail: carta@cartaecarta.com
Quer saber mais sobre este espaço ou sobre o que temos feito? Você pode acompanhar o nosso blog e nossas redes sociais.